Páginas

segunda-feira, janeiro 16

Aprender a dizer sim e não...

Amar-te é perder o medo de falhar, é perder o orgulho e não querer magoar-te com palavras, com gestos, com emoções, com situações. Amar-te é aprender a declarar-me a mim, a ti, ao mundo, a nós. Amar-te é desejar um beijo todos os dias ao acordar e ao deitar. Amar-te é arriscar na vida, é perder a noção do tempo, é dançar a chuva, beijar á chuva, caminhar de mãos dadas debaixo da trovoada. Há em mim uma saudade de amar. Uma vontade de te acarinhar em cada canto do meu ser. Guardar-te em mim, de todas as formas e feitios. Amar-te é aprender a dizer sim e não. Amar-te é viver. 

Pega em todos estes planos que tenho nas mãos e torna-os teus. Faz deles parte de ti. Faz deles o que queres ser ao meu lado que eu farei o mesmo com os planos que tens nas tuas.

quarta-feira, dezembro 28

Só hoje...

Apetece-me ir jantar fora contigo. Saborear um prato diferente esta noite. Apetece-me ir até a um lugar qualquer onde sirvam um bom café, ou uma boa chavena de chocolate quente. E logo a seguir palmilhar mais alguns metros e refugir-nos num salão de jogos onde podemos descarregar as emoções. E por fim enquanto formos a caminho de casa pararmos num beco e ficarmos por lá abraços, envoltos nos braços um do outro, aos beijos, aos amaços, aos segredos de alma.

Só hoje...

sábado, dezembro 24

Em cada palavra...

Todo este tempo tive um gelo pendurado no coração. Todo este tempo queria abraçar-te contra mim, contra o meu peito e sentir o teu calor, o teu coração bater. Todo este tempo que te dei a mão e entrelaçava os meus dedos nos teus, esperava sentir o pulsar desse teu musculo que te mantem viva. Essa coisa a que chamam de coração, essa coisa a que chamam de casa de amores. Essa coisa que dizem nos faz sentir especiais. 

A delicadeza em cada gesto teu, a ternura em cada palavra que deitas cá para fora, o corpo que se encosta ao meu, o arfar, o suor que se mistura com o meu. A saliva que troca de boca, a língua que beija os dentes, que beija o céu da boca, que beija o rosto de quem amas. Este que digo ser eu, gosta de ti. De cada pedaço que em ti reside. Cada coisa que tu és.

A subtileza do teu olhar encanta-me a alma.

sábado, novembro 12

Outro como ele...

Não irás encontrar outro como ele, com o carinho que ele tem, com o amor que ele tem para ti guardado no peito. Com a voz mais delicada que ele treina todos os dias para um dia te poder dizer ao ouvido, em momentos de má sorte, em momentos em que a confusão tome conta da tua cabeça, da tua vida o quanto gosta de ti.

Nunca irás encontrar um homem como ele que treina o peito todos os dias para que nele possa receber sem filtros, sem medos, sem anseios os amores que tu lhe possas dar, mesmo que poucos. Ele treinou-o de tal maneira que agora multiplica cada bocadinho de beijo que lhe dês, cada bocadinho de passar de mão nas suas pernas, no seu cabelo, no seu rosto.

Ele tem poupado os lábios para que beije melhor quando for preciso acontecer.

Ele é muito mais do que pensas, muito mais do que esperas. Ele é tudo o que sempre quiseste e ao mesmo tempo é um nada que te consome de ânsias, de saudades, de desesperos, de choros. Ele é a causa de todas as tuas lágrimas à noite. Ele é tudo o que quiseres e tudo o que não quiseres. Ele é ele a cima de tudo, a cima de ti, ao teu lado, á tua frente, atras de ti. Ele é a pessoa que fugiu da rotina, que fez do azar a sua sorte. Ele apaixonou-se por ti e todas as palavras que te disse, todos os olhares tinham um significado. Nada nele era dito ou feito em vão. Havia um propósito, mas tu não o soubeste ler. E ele agora já não te quer deixar entrar para que o faças. Tiveste a tua chance, tiveste a oportunidade mais do que três vezes. E nas três vezes lhe disseste não. Entraste nele sem pedir, e ele não se importou. Ele quis entrar em ti, foi mais delicado e perguntou-te se podia, porque não te queria magoar. Mas não deixaste, não o quiseste dentro de ti, apenas o querias ao teu lado, sem dar a mão, sem olhar pra ele, sem nada.

Foste egoísta e só pediste para ti e não te preocupaste com ele. Só pedias, e pedias e exigias e ele dava, tolo, dava-te tudo, porque se apaixonou com tudo o que tinha. E tu foste-lhe partir o coração três vezes e nem desculpa lhe deste, porque tu quiseste mais saber de ti do que dele...