Páginas

sábado, novembro 12

Outro como ele...

Não irás encontrar outro como ele, com o carinho que ele tem, com o amor que ele tem para ti guardado no peito. Com a voz mais delicada que ele treina todos os dias para um dia te poder dizer ao ouvido, em momentos de má sorte, em momentos em que a confusão tome conta da tua cabeça, da tua vida o quanto gosta de ti.

Nunca irás encontrar um homem como ele que treina o peito todos os dias para que nele possa receber sem filtros, sem medos, sem anseios os amores que tu lhe possas dar, mesmo que poucos. Ele treinou-o de tal maneira que agora multiplica cada bocadinho de beijo que lhe dês, cada bocadinho de passar de mão nas suas pernas, no seu cabelo, no seu rosto.

Ele tem poupado os lábios para que beije melhor quando for preciso acontecer.

Ele é muito mais do que pensas, muito mais do que esperas. Ele é tudo o que sempre quiseste e ao mesmo tempo é um nada que te consome de ânsias, de saudades, de desesperos, de choros. Ele é a causa de todas as tuas lágrimas à noite. Ele é tudo o que quiseres e tudo o que não quiseres. Ele é ele a cima de tudo, a cima de ti, ao teu lado, á tua frente, atras de ti. Ele é a pessoa que fugiu da rotina, que fez do azar a sua sorte. Ele apaixonou-se por ti e todas as palavras que te disse, todos os olhares tinham um significado. Nada nele era dito ou feito em vão. Havia um propósito, mas tu não o soubeste ler. E ele agora já não te quer deixar entrar para que o faças. Tiveste a tua chance, tiveste a oportunidade mais do que três vezes. E nas três vezes lhe disseste não. Entraste nele sem pedir, e ele não se importou. Ele quis entrar em ti, foi mais delicado e perguntou-te se podia, porque não te queria magoar. Mas não deixaste, não o quiseste dentro de ti, apenas o querias ao teu lado, sem dar a mão, sem olhar pra ele, sem nada.

Foste egoísta e só pediste para ti e não te preocupaste com ele. Só pedias, e pedias e exigias e ele dava, tolo, dava-te tudo, porque se apaixonou com tudo o que tinha. E tu foste-lhe partir o coração três vezes e nem desculpa lhe deste, porque tu quiseste mais saber de ti do que dele...

quinta-feira, outubro 27

Amei-te numa altura...

Soube que seria difícil. Tinha medo de fingir algo que na realidade pudesse não sentir sobre ti. Mas a verdade é que senti. Vivi-te apaixonadamente. Senti tudo e um nada. Senti que podias ser a tal que me ia fazer finalmente arrancar da rotina, tirar da bocas os disssbores que a vida me dera e que por culpa minha os tive. Fui sempre eu. Desejei-te sem julgar. Amei-te sem culpa ou julgar das tuas acções no passado. Fiz-te rir genuinamente. Julgo eu. Sempre te disse o que estava a sentir. Sempre te disse o que sentia. O que pensava. E tu. Oh tu não dizias nada disso. Não falavas sobre o assunto. Tinhas medo talvez? Gostava de ter sabido as coisas que na cabeça tinhas. As verdadeiras razões desse medo que te fazia ficar muda sobre os sentimentos, sobre tudo o que pensavas. Nunca me disseste.

A unica coisa que posso dizer qye me tenhas dito é: "ainda nao gosto de ti, mas obrigado por seres meu amigo."

Amei-te numa altura em que mais precisava de ser amado de volta. Amei-te e fiz coisas que não era capaz de fazer por mais ninguém a não ser a minha mãe. E nem a ela fiz as coisas que fiz contigo.

quinta-feira, outubro 20

Tens de ser tu...

Desde aquele dia em que o não te saiu da boca, a minha mente não tem parado de me incomodar. O Diabo falou-me coisas ao ouvido, disse as coisas certas, as coisas que não esperava ouvir, mas disse-mas e aceitei-as. Quero fazer tudo, experimentar tudo. Quero-te levar comigo. Quero mostrar-te como são as coisas vistas através dos meus olhos, através dos meus sentidos, através dos meus sentimentos. Porque eu sofro tal como tu. Sim sei que sofres, ninguem pode fingir. Tenho tido o gosto de desde o dia em que coloquei os olhos em ti pela primeira vez, de me sentir encantado com a facilidade que tens de sorrir, de dizer que sim quando queres dizer não. Fizeste-me sentir inteiro, cheio de vida, cheio de coisas que senti há tantos anos.

E apesar de seres rabugenta, de atrofiarez e aziares com tudo, sei que gostas de mim, ou não ficarias chateada por coisas tão pequeninas. Não sabes como me aceitar (acredito que seja mais este o medo que tenhas do que qualquer outro) porque eu sou tudo aquilo que nunca terás em mais ninguem. Sou tudo aquilo que tu amas e odeias. Sou aquilo que procuras nos outros mas não encontras. A única coisa que encontras nos outros são pedaços de tudo o que tenho guardado, tudo o que a mais te escondo porque deves ser tu a descobrir. Deves ser tu a perguntar, a puxar por mim, a pedir de mim. Deves ser tu e não ser eu o único a entregar-te de bandeja aquilo que o coração por tantos anos se dedicou a construir.

Por muito que te ame, tens de ser tu a provocar em mim a abertura total do meu coração.

"Tu foste embora e o mundo ainda não parou um segundo."

quarta-feira, outubro 19

Gostamos um do outro...

Por muitas raparigas que passem por mim na rua, Por muitas raparigas com quem fale. Por muitas que conheça, nenhuma fez o que fizeste comigo. Nenhuma fez acreditar em mim como tu fizeste. Nenhuma tem o teu sorriso, nenhuma tem o teu perfume, nenhuma tem a tua maneira rabujenta de ser e ver as coisas á tua volta. Nenhuma delas és tu. Se não gostassemos um do outro, não tentavamos fazer com que tudo resultasse, deixariamos de falar. Sinto-me culpado, eu sei, por muitas vezes fazer-te ficar aziada, ou pelo menos ficares chateada, mesmo que não seja com o propósito para tal. Desculpa-me meu amor, meu carinho de alma, meu peito doce, minhas mãos delicadas, minha testa suave. Se eu não gostasse de ti e se tu não gostasses de mim não falavamos, não davamos um tempo. Porque eu sinto que de alguma forma tu tens medo de me perder por causa de uma birra qualquer entre nós os dois, começada ou por ti, ou por mim.

Gostamos um do outro, não é segredo para mim, e não pode ser para ti. Chateamonos porque nos amamos, porque temos ciumes. Porque as coisas nem sempre saiem como queremos, ou porque de uma maneira ou de outra, o ciume ganha, a raiva ganha, a inveja ganha, o silencio ganha, a angustia e a ansiedade ganham. E ficamos a pernos numa escuridão em que nenhum escolheu viver.

No fundo o que te quero dizer meu amor, é que eu sei que sou complicado de lidar, sou teimoso até dizer chega, tal como tu. E temos de aprender a lidar um com o o outro se queremos que as coisas resultem. Eu sei que te custa, acredito que sim. Que te custa dizer o que sentes, de mostrares que gostas de mim, de quereres o meu amor, o meu carinho, o meu mimo. Eu sei que pode ser dificil para mim. Mas peço-te que tentes que te esforçes só um pedaço e me digas, por palavras, gestos, ou situações de que gostas de mim, de que te preocupes comigo e de que quando vês alguma rapariga a meter-se comigo, tu sentes ciumes, queres-me só teu.

Diz-me o que realmente sentes, e serei para sempre teu.