Páginas

quarta-feira, setembro 21

E apesar de tudo...

Num encanto ledo e cego, só a saudade parece levar a melhor. Encantas-me com o sorriso, encantas-me com a alma, encantas-me com as palavras que fazes sair com esse teu maravilhoso tom de voz. Quero saborear cada pedaço, cada canto, cada recanto desse peito que manténs afastado de mim. Quero saber de cor o sabor dos teus lábios, saborear o doce das tuas orelhas, segredar-lhe promessas. Quero poder colocar as minhas mãos nas tuas ancas e elevar-te no ar, segurando-te como se fosse a minha bebé, a minha pedra preciosa, a minha mais que tudo.

Sei que tudo pode parecer esquisito. Tudo isto que por aqui escrevo, e possivelmente podes até não ter a mesma ideia sobre mim, e eu entendo isso. Custa-me, mas entendo que possas não ter-me com o mesmo carinho dentro de ti como aquele que tenho por ti dentro de mim. Porque este orgulho que me vai crescendo no peito, este fogo que me aquece a alma, esta adrenalina que me sobe ao sangue dava vez que te vejo, cada vez que te falo, cada vez que esses olhos focam os meus.... Oh que louco sou. E apaixonei-me por aquilo que menos esperava. Pela pessoa que és como um todo, ponde de lado o teu passado, ponde de lado os teus demónios, os teus desassossegos, as tuas angustias, as tuas lágrimas, e todos os teus problemas. São passado e tornaram-te na pessoa que és hoje, naquilo que me encantam o coração.

Se te disser com esta boca, com esta voz, com este olhar, com este jeito de ser meu que te quero proteger, que te quero fazer feliz, encher-te de mimo, encher esse sorriso de vontade de viver. Encher o peito com um fogo que mais nenhum gato consegue apagar. Acreditarias?

Há em mim uma vontade de te ver bem, de te amar, de proteger cada recanto teu, ajudando-te da melhor maneira possível a enfrentares os problemas que a vida te coloca a frente. Dar-te-ei sempre, sempre a mão, em qualquer decisão. Se tiver de enfrentar os leões para te ver sorrir só por mais um segundo, fá-lo-ia, por nós, por ti, por mim. Porque tu mereces um respeito que apenas os teus pais conseguem dar (para já), e porque eu mereço o mesmo. Não te quero moldar, não o farei, um ou outro ponto talvez, não vou mentir, pois foi por aquilo que tens sido para mim, aquilo que me tens mostrado de que me fez apaixonar por ti.

E apesar de tudo isto parecer talvez lamechas ou demasiado profundo para o tempo que temos tido juntos, não o acho. Pois se eu ainda não te pude beijar, não o fiz por não querer, mas mais por deixar o tempo decidir qual o melhor momento para saborear cada milímetro dos teus lábios. Se ainda não coloquei uma mão na tua cocha, um beijo sobre os teus lábios, sabe que o próximo texto, será algo como nunca leste, as minhas palavras serão como nunca ninguém as disse, a vida será como nunca a viveste antes. Porque se eu não dei o próximo passo, foi porque quero sentar-me ao teu lado e saber o quanto de nós estamos nós dispostos a sacrificar para podermos dar o melhor que temos a cada um.

Resumindo, quero poder pegar-te nas mãos, olhar-te nos olhos e sacrificar o peito e a alma ao dizer-te, quero confiar em ti para tudo, quero viver-te, quero ter-te, quero amar-te, quero segurar lágrimas e pesadelos por ti, quero sofrer contigo, quero chorar contigo, quero sorrir e ser feliz contigo. Quero dar a minha vida para te ver feliz. Queres arriscar comigo?

domingo, setembro 18

Para as estrelas...

Sabes que é amor quando a pessoa que amas na tua cabeça deixa de ter a voz delicada, mas passa a ter as mãos de um anjo. Quando os olhos se mantêm a brilhar como antes. Quando a maneira de falar desenvolve para algo mais complexo e interessante. Quando o corpo se transforma e parece que te diz "Sou mulher! Ama-me!" Mas tu já a amas de qualquer maneira, com ou sem pêlos, com ou sem maquilhagem. Porque tu gostas, e vais atrás. 

E por vezes cais e enquanto te levantas vez uma mão linda a ser esticada até ti. É ela. É ela que sorri para ti, que te ajuda, que te diz "força!", que te faz chorar por achares que sem ela perderias o mundo das mãos num ápice. É ela que te mantem à tona de água, mantém-te o mundo nas mãos, porque ela quer, porque se preocupa contigo, tal como tu. Ela quer que a puxes, que a levas ás costas quando ela não poder mais das pernas, que lhe limpes as lágrimas do rosto com a camisola nova, ou com as costas dos dedos. Ela quer receber o mesmo carinho que te dá a ti.

Quando lhe beijas a orelha ela sente-se alegre. Quando lhe beijas o pescoço acordas a leoa que nela habita, enraizada, escondida nas profundezas do seu ser. Quando lhe beijas a boca e de seguida lhe beijas a testa, ela sente-se mais preenchida de mimo, de carinho, de delicadeza naquele seu coração tão pequenino, mas tão forte. Porque é ali que ela vive, lá dentro.

Tu ama-la porque tu sentes que ela é diferente. O olhar é alegre, o sorriso demasiado bonito, o rosto encaixa na perfeição, a voz encanta-te ao ouvido, a boca mexe-se com delicadeza, as mãos suaves como a seda, e os jeitos dela, a maneira dela alegram-te, encantam-te, cativam-te, interessam-te.

Para as estrelas que me lêem e me ouvem.

quarta-feira, setembro 14

Amamos o que não compreendemos...

Pensei ter encontrado a resposta para todas as perguntas que tinha sobre o amor. Mas será assim tão facil entender? Não! Não é fácil de o entender, porque eu tenho os meus sentimentos, e os meus sentimentos têm bases em momentos, em acontecimentos, em coisas que vi, que ouvi, que disse, que me disseram, que fiz e me fizeram. A minha percepção do mundo é diferente da de qualquer outra pessoa, e muda todos os dias. Por isso, não! Não é fácil entender que quando me dizes amo-te, ou gosto de como o teu abraço me aqueçe o peito, porque não estou a sentir o que tu sentes, não estou a pensar o que tu pensas, mas abstratamente, imagino, invento e procrio dentro de mim, dentro da minha cabeça, vasculhando em memórias de coisas que senti ou vivi, para sentir tal como tu, estando ou tentado estar, sem sintunia contigo, com o que sentes, com o que dizes estar a sentir. Por isso, amo-te!

Amo-te porque sim. Porque apesar de tudo as palavras têm um sentimento, um significado que cada um lhe dá. Apesar de as palavras não terem o mesmo sentimento, posso pelo menos tentar amar-te inteira, ou em pedaços do que possas ser, ou ir sendo aos meus olhos. Amar-te a ti e a todas as tuas palavras, todas as tuas atitudes. Porque no fundo, o mais extraoridnário do amor,  é sentir coisas todos os dias, coisas novas ou coisas que nos façam encantar. Que nos façam acordar coisas belas, sentimentos estranhos, complexos e tão radiantes de se sentir dentro dos corpos de cada um de nós. 

Porque somos humanos e vivemos de sentimentos. Vivemos de paixões. Vivemos com o desejo de ultrapassar barreiras e amar o que não conseguimos ver, ouvir e tocar.

Porque amamos o que não compreendemos.

quinta-feira, setembro 8

A coragem existe em mim...


Para mim a coisa mais difícil de dizer, é que gosto de ti, que me preocupo contigo muito antes de sequer pedir-te em namoro. Aos poucos vou-te conhecendo, vou-te achando engraçada, interessante, bonita, sensual, divertida, alguém com jeito para esta coisa da vida. E gosto e vou gostando e gostando e o sentimento de segurança vai crescendo cá dentro, vou ganhando coragem e por vezes quando gaguejo, ou te digo que tenho coisas para te dizer ou que preciso de falar contigo pessoalmente e no fim não sai nada, ou quando digo que me esqueci, é quando as palavras fugiram com medo, o coração se escondeu da língua e está a gritar algures num canto do meu peito.
A coragem existe em mim, as palavras estão pensadas ao pormenor, os olhares e os toques, o beijo pensado ao milímetro, a língua foi questionada diversa vezes, se deve ser ou não usada no beijo, se sim como, as mãos, onde as ponho no teu corpo, os olhos abertos ou fechados e com muita ou pouca força. E a ânsia de tudo isto faz-me debater em mim memórias, sentimentos, batalhas que ganho com facilidade. Mas por vezes quando a incerteza ganha, fico com dúvidas, fico com medo das tuas palavras, dos teus gestos, das tuas reacções, dos teus medos, de tudo o que vem de ti. E sofro de uma certa maneira. Sofro por não conseguir dizer: "Gostaria de sair contigo.”, "Gostaria de me chegar mais a ti, de te ser de confiança, de saborear cada pedaço de lábio teu, de te abraçar todas as noites, de me despedir sempre de ti com dois beijos, um na boca e outro sobre a testa."
Que eu tenha a sabedoria de te amar. De te encantar com humildes palavras, pelos beijos sinceros, pelos abraços aconchegantes enchendo-te de vida e alegria. Porque é a única coisa que tenho para te dar.